quarta-feira, 27 de maio de 2020

Bela Flor



Bela Flor

De modo que eu te diria:
— Bom dia com meu amor, bela Flor!
E o astro-rei em réplica, celebraria,
Aromatizando o ar com jasmim
E revelando o teu esplendor.

E se, no entanto te dissesse:
— Boa noite com meu ardor, bela Flor!
E a nobre lua do céu se dispusesse
A deitar prata sobre todo o jardim,
Cobrir-te-ia com todo meu amor.

Eis que contigo não há pranto,
Pois se houvesse, seria de alegria.
És, pois sim, abastada de encantos
Neste redor e qualquer confim,
No lusco, na noite ou no dia.

Eis a brisa soprando a felicidade,
Pois tu, mulher, que também é flor,
Deveria renegar a nativa fragilidade
Para viver aqui dentro de mim,
Na eternidade do meu amor.

Nardélio Luz
260520

segunda-feira, 4 de maio de 2020

Sensível Demais




Sensível Demais

Então que poderia ter lido e deixado,
E como a maioria, ignorado meu brio,
Mas optou por um breve comunicado
Aos meus rabiscos, tecendo elogios.

Aquele gesto gentil me fez ponderar,
No quão nesta era de vídeos e figuras,
É realmente raríssimo de se encontrar
Quem ainda goste da velha literatura.

Em breve bate-papo, sem delongas,
Ela me compôs a própria intensidade,
E foi no exato ápice que me dei conta,
Do quanto é vasta sua sensibilidade.

As afinidades vêm de coisas naturais,
Tal uma poesia ou outra similaridade,
E se ambos partilham desse algo mais,
Pode ser início de uma bela amizade.

Se ela estima ler e eu amo escrever,
É a perfeição em um único pormenor;
Quando tudo mais já temos pra viver,
Diga o que mais poderia ser melhor?

Nardélio Luz
290420

segunda-feira, 20 de abril de 2020

Sobre a Amizade



Sobre a Amizade

A amizade é uma fonte fresca de esperança,
Que nos farta em sensibilidade e benfazejos,
Da qual devemos beber com abundância.

Quando verdadeira, não há bem maior,
Eleva-nos a alturas deveras imensuráveis,
Trazendo à tona o que temos de melhor.

Supera Eros, esse vil infligidor de dores,
E é parceira inexorável do altruísta Ágape,
O mais belo e incondicional dos amores.

Há os que não acreditam neste sentimento,
Pois têm mágoas profundamente enraizadas
E ainda não sentiram tamanho portento.

Talvez pela própria natureza individualista,
Não possuam capacidade para se expressarem
E não acreditam em outros seres altruístas.

Outros só sentirão mais tarde essa virtude:
Quando os corações finalmente se abrirem,
Suas almas poderão provar tal magnitude.

Infelizes são alguns poucos desgraçados,
Cuja decepção com sua espécie é tamanha
Que jamais lhes permitirão ser tocados.

Esses que não se abrem para o fato de que
Viver é mais que receber, sobretudo é doar,
E são nossos amigos que nos fazem crescer.

Dentre tantas lições que a vida nos traz
Deveríamos nos dar a chance de aprender
Com a afeição e a amizade dos animais.

Talvez sirva a outros, o que trago comigo:
Que a amizade é um bem a ser conquistado
E para se TER amigos é preciso SER amigo.

Nardélio F. Luz
120819

terça-feira, 14 de abril de 2020

Salete



Salete

Você é mais, muito mais!...
Por tanto radiante que seja,
A beleza do dia fica lá atrás,
Comparada a sua nobreza.

Você é a mais graciosa flor,
Que faz o próprio sol sorrir;
É a fiel encarnação do amor,
Confiança assente no porvir.

A doce e sublime lembrança,
As loucuras da própria razão,
Que anexa a afável esperança,
À alma imortal e ao coração.

Você é a chuva para a planta,
O justo amanhã que promete;
É o sorriso doce que encanta,
A pura simplicidade: é Salete.

Nardélio Luz
140420

quinta-feira, 9 de abril de 2020

Saibam o Senhor e a Senhora



Saibam o senhor e a senhora...

Um dia a magia de Deus chegará aos
corações de todos os seres humanos
— único lugar que ainda não é onipresente —
e suas mentes se iluminarão como as estrelas;
então a chuva terá lavado todas as agruras,
o sol terá aquecido os corpos e as almas
— por mais frias que possam ser hoje —,
o sorriso terá derrotado todas as tristezas,
o amor terá unido em uma todas as raças,
qualquer pranto haverá de ser de alegria,
o vento estará soprando a fresca esperança
e todas as coisas e as pessoas estarão melhores.
O mal, então, será apenas um vestígio distante,
que a vigília jamais permitirá ser repetido.

Nardélio Luz
090420

terça-feira, 24 de março de 2020

Soneto da Morte Invisível




Soneto da Morte Invisível

Invisível e, desse modo, imperceptível,
Vem a morte em seu silêncio sepulcral.
Hétero, gay... o gênero é indistinguível,
Como também a raça ou classe social.

Isolando as famílias em seus abrigos,
Para reaprenderem o que já esqueceram.
E na convivência com os entes queridos,
Buscarem o resgate do que perderam.

Como surgiu não havia quem falasse,
Somente quando já lotava os hospitais,
Permitiram que ao mundo alertasse.

O fato é que não há registro nos anais,
De praga natural ou criada, que matasse
Só os humanos e poupasse os animais.

Nardélio Luz
220320