terça-feira, 27 de julho de 2021

Compunção




Compunção

 

Às vezes o peito fica apertado

E não fazemos ideia do porquê;

O coração parece meio cansado,

Sem a menor vontade de bater.

 

Então volta à nossa lembrança,

Assuntos de um tempo anterior;

Questões mal, ou não resolvidas,

Que levaram a algum dissabor.

 

O opositor até pediu desculpas,

E na hora disse tê-lo perdoado;

Porém o fez só da boca pra fora,

No fundo continuou magoado.

 

O que naquela ocasião deveria,

Era também ter pedido perdão;

Já que ninguém peleja sozinho,

Seriam duplos indultos, então.

 

Não existe briga em monólogo,

Para tal precisa no mínimo dois;

E se não ficar resolvido na hora,

Terá sempre que fazê-lo depois.

 

Exercite, portanto, a humildade,

Não há desonra em voltar atrás;

Pois admitir que também errou,

É que irá restabelecer a tua paz.

 

Nardélio Luz

210721


 

quinta-feira, 22 de julho de 2021

Tapera



Tapera

 

A maioria discorda dos meus sussurros,

Então pouco verso, para não desagradar.

Afirmam que trafego entre dois mundos,

E na maior parte perduro do lado de lá.

 

Não me atino se sou do bem ou do mal;

Não me apego a ideias que o tempo dilui.

Só vou me guiando pelas vielas dos anos,

Tal qual um espectro do homem que fui.

 

Gosto da melancolia das velhas ruínas,

Com suas histórias perdidas no tempo.

Sonho com mitos de velhos fantasmas,

Como os que à noite se ouve no vento.

 

Uma dessas taperas é tão excepcional,

Que nem o passado consegue derrubar.

Tal que as lembranças ferem como faca,

E de forma alguma se deixam apagar.

 

Essa casa velha é minha própria vida,

Dentre as lendas anciãs, uma peculiar:

Existo vagando entre paredes mortas,

Que não me permitem sair do lugar.

 

Nardélio Luz

220721


 

quarta-feira, 2 de junho de 2021

Fascinação


 

Fascinação

 

És uma bela mulher, deveras ardente...

Percebi isso desde a nossa primeira vez;

Quando por ardil de pobre alma doente,

Por pouco este encanto não se desfez.

 

Mas não cheguei a perder a esperança

Ou a acreditar que aquilo traria um fim;

Julguei que breve notaria a discrepância

E, tão logo o fizesse, voltaria para mim.

 

Compartimos uma atração desprendida,

Fortalecida pelos vínculos da convicção;

Onde a cada dia a confiança é merecida,

E com ela vem a recompensa da paixão.

 

As nossas almas se abraçam de saudades

E os corpos se enlaçam num bem-querer;

Quão vastos são o lume e a cumplicidade,

Que esse lampejo haverá de se estender.

 

Condicionamos entre nós, antes e agora,

Estes segredos que outros jamais ouvirão;

Dada a magia que nos atrai desde outrora,

Que nenhum mortal teria a compreensão.

 

Nardélio Luz

220421

quinta-feira, 6 de maio de 2021

Quietude


Quietude
 
Eu não sabia se atrapalharia,
Se me dispusesse do teu lado.
Observei-te por um instante e,
Silenciosamente, me arrisquei.
 
Estavas recostada na cadeira,
Com o olhar distante, no lago
Ou em algum lugar além dele,
Onde somente tu alcançavas.
 
Mais distante que o teu olhar,
Estavam os teus pensamentos.
Toquei minha cadeira devagar
E estacionei bem ao teu lado.
 
Saudou-me com belo sorriso e
Postou tua mão sobre a minha.
Fora um gesto doce de carinho
E logo voltou a mirar o invisível.
 
Correspondi ao teu sorriso e
Permaneci quieto, silencioso.
A tranquilidade era embalada
Pelos sons calmos da floresta.
 
Os passarinhos se afinavam
Para adequar a trilha sonora.
A tarde fora a aliada perfeita
E dois olhares se perderam.
 
Nardélio Luz
060521
 

sábado, 24 de abril de 2021

Ausência



Ausência

 

A datar de minha saída do teu lado,

Muitos anos se passaram, e bem sei;

Esse vil tempo é mesmo empenhado,

Se alongara desde que me ausentei.

 

Sabes que o fiz por ensejo forçado,

Inteiramente alheio ao meu querer;

Tal além-mundo, de fato, acerbado,

Que me forçara a não mais te ver.

 

Nada temas, bela donzela elegida,

Malévolo algoz não mais nos ferirá;

Não mais causará o mal nessa vida,

Posto que com os ancestrais está.

 

Em breve, diva-flor, voltarei para ti,

Não há qualquer intensão de tardar;

Perfaz-se vasta esperança no porvir,

Nisto e tudo mais, podes acreditar.

 

E uma vez reedificado ao teu lado,

Tormenta alguma irá nos derrubar;

Pois mesmo quando jazia afastado,

Eu nutria a fé de voltar e te amar.

 

Nardélio Luz

240421 

sábado, 17 de abril de 2021

Reunidos


 
Reunidos

Gosto quando não faz uso de meias palavras
E expressa à vontade tudo o que tem a dizer;
Assim sinto seu coração aberto, sem aldravas,
E é comigo tudo aquilo que eu sou com você.

É importante que não apenas diga, mas faça,
Pois a palavra se desfaz, por mais que agrade;
Mas o exemplo transpõe a mais dura couraça,
Permitindo fazer comigo o que tiver vontade.

Esse é um direito já plenamente conquistado,
Com os seus modos de quem sabe o que quer;
Essa sensibilidade que me deixou encantado,
O jeito de menina e sensualidade de mulher.

Há uma história, engolida pelo longo passado,
Cujas conjunturas das eras a fizeram suprimir;
O zombeteiro destino levou um para cada lado,
Porém o fiel acaso nos trouxe de volta até aqui.

Desta feita não falo sobre sonhos impossíveis,
Nem tampouco há a timidez do desmerecimento;
Discorro da realidade, de sensações plausíveis,
De dois seres reunidos por um só sentimento.

Por ora gozemos nossos anseios com calma,
Sem juras e o fogo que se queima em ilusões;
Permitamos fluir o que vem de nossas almas,
Fazendo bater mais forte os nossos corações.

Nardélio Luz
170421

domingo, 28 de março de 2021

Serenidade



Serenidade

 

Todas as manhãs, quando a luz me chama para passear,

Uma letargia onírica cede o lugar às emoções do despertar,

Trazendo à lembrança desde os escassos flashes de sonhos

Até o que não fora feito e subsiste nos planos do porvir.

 

Nas iluminadas horas seguintes, singro todo um universo,

Tornando ou não concretas as coisas que já tinha planejado,

Enquanto brotam novas ideias para outras que desejo fazer,

E vem à mente tantas que deveria ter realizado e ignorei.

 

Há uma cadeia hierárquica que quase nunca é respeitada,

Como também não é aproveitado o tempo segundo deveria;

Na batalha entre os tais destino e acaso, arrisco o segundo,

Cuja conveniência embasa melhor minha crença abstrata.

 

Seguindo o lusco-fusco, vem a noite me tirar para dançar,

E a melodia é afável tanto quanto é gentil o enlace brumoso;

Ignorando o não feito, meu corpo flutua nos braços do sono,

E empresto minha alma à esperança de sonhar novamente.

 

Nardélio Luz

221220