sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Sozinho




Sozinho


Sexta-feira, seis da manhã,
Acordei cedo, estou sozinho e sem o que fazer.
Encontro-me à frente do computador,
Quieto, calado, buscando inspiração;
Ela não vem...

Um raio de sol adentra a janela aberta,
Criando reflexos na tela e cegando-me parcialmente.
O vento ruge lá fora, por entre as folhas do limoeiro,
Ouço-o, capto-o, sinto-o penetrando pela janela;
Que dia lindo os seres têm...

A saudade bate, fustiga o meu peito,
Traz lembranças antigas,
De tempos já idos e irrecuperáveis.
Remexe velhos sentimentos adormecidos,
Saudades que não sei de quê, ou de quem...

O sininho toca na varanda,
O cachorro late na rua distante.
Sinto os movimentos fora dessas paredes,
Farejo o esplendor da vida com alegria,
A vida, simples, que pulsa aqui e além...



6 comentários:

  1. Lindo, pequeno, porém com um conteúdo extremamente envolvente, perfeito. <3 <3

    ResponderExcluir
  2. Lindo, como todos os outros, parabéns !

    ResponderExcluir
  3. Parabéns exímio poeta
    ,amei o poema, lindíssimo!

    ResponderExcluir